Rio -  O Estado do Rio vai antecipar em um ano o fim do parcelamento da gratificaçãoNova Escola para 130 mil professores ativos e aposentados. O parcelamento começou em 2009. A medida representa reajuste de 14,11% em 1º de maio para os professores.
Foto: Arte O DIA
Foto: Arte O DIA
O valor será depositado na conta do docente com o salário de junho ou em folha suplementar, dependendo do prazo para a Assembleia Legislativa aprovar o texto enviado pelo Executivo.

Com a alteração, a remuneração inicial do professor com carga horária de 16 horas semanais vai subir de R$877,91 para R$ 1.001,82. E o salário do docente de 30 horas vai passar de R$ 1.646,04 para R$ 1.878,40.

Para o secretário de Educação do estado, Wilson Risolia, a antecipação, que zera o Nova Escola, e o fato de terem sido eliminados os passivos de enquadramento mostram que o governo valoriza o professor. “São medidas extraordinárias e que demandaram grande esforço, mas que valem a pena”, destacou.

Segundo a pasta, a hora/aula vai subir para R$ 15,65. A secretaria afirmou ontem que, após zerar o Nova Escola, o estado vai ficar com o terceiro maior salário doBrasil. Em valores iniciais, sem as gratificações, vai ficar atrás do Distrito Federal (R$ 2.315 por 40 horas) e Roraima (R$ 2.142 por 40 horas).

O Rio de Janeiro terá salário de R$ 2.003 por 40 horas. Depois vêm Amazonas e São Paulo, com R$ 1.905 e R$1.894 por 40 horas.

A secretaria explicou ainda que a remuneração dos professores da sua rede de ensino é constituída por vencimento-base, triênio por tempo de serviço e enquadramento por formação.